CURSO COMPLETO DE TEORIA MUSICAL E SOLFEJO EM PDF

Next skip Curso De Teoria Musical E Solfejo Curso de teoria musical e solfejo South Dakota cpa exam requirements south dakota cursos no sesc joao pessoa art 33 inciso 2 do cp. Curso De Teoria Musical E Solfejo New York local do exame de ordem laboratorio exame sudoeste fone figuras abstratas preto e branco Burlington Curso de teoria musical e solfejo Montgomery, Kentucky agendamento de exames unimed joinville Hudson fgv oab exame de ordem unificado primeira fase. Curso de teoria musical e solfejo Coventry Virginia. Curso de teoria musical e solfejo Toronto State of Illinois curso de teoria musical e solfejo cursos na area de ciencias biologicas, Gloucester estresse pos traumatico aposenta Basildon, Jersey City. Curso de teoria musical e solfejo Edmonton West Lothian. Curso de teoria musical e solfejo Winnipeg Norfolk, Temiscaming, Charleston, Tempe, Lewisville curso de teoria musical e solfejo Burnaby tcc sobre marketing sensorial, codigo do trabalho artigo 24, Donnacona, Naperville Curso de teoria musical e solfejo Brampton Mascouche.

Author:Metilar Goltibei
Country:Nepal
Language:English (Spanish)
Genre:Travel
Published (Last):5 November 2017
Pages:319
PDF File Size:9.91 Mb
ePub File Size:18.37 Mb
ISBN:801-1-66863-913-1
Downloads:54446
Price:Free* [*Free Regsitration Required]
Uploader:Malagore



Este momento chegou, estamos prontos para iniciar com esta pgina mais uma etapa de contribuio para este valoroso instrumento: a flauta doce. Com o advento do computador e da internet o "Ensino Distncia" ganhou novo flego encurtando distncias e atingindo novos horizontes. A soma de vrias tecnologias aplicadas ao ensino, possibilita um aprendizado dinmico com os recursos udio-visuais. Os sons, as imagens, as palavras, os vdeos Assim, o saber e o aprender extrapolam limites geogrficos facilitando e melhorando a vida das pessoas sob o ngulo da comunicao e da educao.

Vamos nos utilizar inicialmente destes recursos computador e internet e possivelmente amplilos para outras mdia futuramente. O que aqui est posto a iniciao do leigo que por um situao adversa no tem um professor.

Tambm para o visitante empolgado, curioso, que se decidiu estudar ou para aqueles que procuram uma dica para o seu aprendizado. A inteno desta simples pgina com esta viso de Ensino Distncia comea com explicaes simplificadas e resumidas da Teoria Musical que o aluno deve cumprir como primeira etapa para compreender melhor a iniciao do instrumento flauta doce aqui abordada.

Tenham um bom proveito. Campina Grande, PB, Brasil. Romero Damio O som tem algumas propriedades importantes. Durao: o tempo de produo do som. Altura: a propriedade do som ser mais grave ou mais agudo. O apito de um trem grave. A sirene de uma ambulncia aguda. Intensidade: a propriedade do som ser mais forte ou mais fraco. Timbre: a qualidade do som que permite uma pessoa reconhecer sua origem. Na escrita musical, estas propriedades do som so representadas assim: Durao: pela figura da nota e pelo andamento.

Intensidade: pelos sinais de dinmica. Por exemplo: Forte, Piano, Mezopiano, Mesoforte Altura: pela posio da nota no pentagrama. Timbre: pela indicao da voz ou instrumento que deve executar a msica. O som musical representado no papel por um sinal chamado nota.

A figura da nota varia, de acordo com a durao do som. As partes que compem a nota so: Pentagrama: um conjunto de cinco linhas horizontais eqidistantes e quatro espaos. Clave: um sinal que se escreve no pentagrama para dar nome s notas. Existem trs claves: de sol, de d e de f. So assim chamadas porque nas linhas onde so escritas, se encontram as notas: sol, d, f. Os sons musicais de acordo com a sua altura, recebem os seguintes nomes: d, r, mi, f, sol, l, si.

Esses nomes se repetem de sete em sete do mais grave para o mais agudo. Oitava: d-se o nome de oitava ao conjunto de notas existentes entre uma nota qualquer e a sua primeira repetio no grave ou no agudo. A figura da nota indica a durao do som. As figuras atualmente usadas so as seguintes: Comeando da semibreve, que tem a maior durao, cada uma dessas notas vale duas da seguinte: Semibreve Mnima Semnima Colcheia Semicolcheia Fusa 2 mnimas 2 semnimas 2 colcheias 2 semicolcheias 2 fusas 2 semifusas Pausa um silncio na msica e tem durao varivel.

Ponto de aumento: um ponto que se escreve direita da nota para aumentar metade do seu valor. O ponto de aumento tambm usado nas pausas com o mesmo resultado. A nota ou pausa com ponto de aumento se chama nota pontuada, ou pausa pontuada.

A repetio de compassos pode ser abreviada por sinais. Quando muitos compassos se repetem usamos a barra dupla com dois pontos chamados de ritornello para voltarmos ao comeo da msica. Ao encontrarmos o terceiro ritornello, voltamos para o segundo conforme o exemplo. Quando o trecho deve ser repetido do incio, usamos a expresso Da capo ou abreviamos com D. Compasso: a diviso da msica em pequenas partes de durao igual ou varivel.

Barra de compasso: uma linha vertical que separa os compassos. Usa-se a barra dupla para separar sees da msica, ou para conclu-la que neste caso mais grossa. Tempo: Compasso binrio: Compasso ternrio: Compasso quaternrio: uma parte do compasso. Os compassos podem ter tempos diferentes: tem 2 tempos tem 3 tempos tem 4 tempos Unidade de tempo: a nota que representa um tempo do compasso.

As mais usadas so a mnima, a semnima e a colcheia. Exemplos: Unidade de tempo de mnima: Unidade de tempo de semnima: Unidade de tempo de colcheia: Compasso simples: aquele em que a unidade de tempo tem um valor simples. Exemplo: Compasso composto: aquele em que a unidade de tempo tem um valor composto. Exemplo: Frmula do compasso: so dois nmeros que indicam a unidade de tempo e o nmero de tempos do compasso. Fala-se: dois por quatro, seis por oito.

O nmero inferior da frmula, tanto nos compassos simples como nos compostos, representa as seguintes notas: No compasso simples o nmero inferior indica a unidade de tempo e o superior o nmero de tempos. No compasso composto, o nmero inferior indica as notas em que se subdivide a unidade de tempo e o superior, o total dessas notas num compasso.

Agora vamos comear a nossa aula utilizando uma flauta doce soprano. Para a realizao dos exerccios nesta fase inicial do aprendizado, segure a flauta fechando a mo direta entorno do p. S a mo direta segura a flauta. Para obter o som, pouse suavemente o bocal da flauta sobre o lbio inferior e cubra-o levemente com o lbio superior. O sopro deve ser firme como o apagar da chama de uma vela. Emita este sopro como um ataque, pronunciando um tut. Se voc assim o fizer estar emitindo um lindo som com a sua flauta.

Lio 1 - Notas na flauta O ponto preto deslocado do dedo polegar, e os outros so o indicador, o mdio e o anular da mo esquerda, tapando os buracos da flauta do bocal para o p. Assim fazendo o aluno estar digitando as notas Sol, L e Si. Com a digitao de cada uma das notas, realize agora um sopro suave como se soprasse uma vela pronunciando um tut.

Treine para que voc consiga um som doce, cheio, vibrante. A intensidade do sopro vai at onde o som produzido na flauta no esguichar. Treine este limite. Continue pegando a flauta pelo p. O aluno deve contar mentalmente 1, 2, 3, 4, enquanto toca na flauta cada uma das notas musicais escritas no pentagrama. Outra forma seria bater com o p ou balanar o corpo para frente e para trs, enquanto conta os tempos.

Faa inicialmente a leitura das notas, pronunciando seus nomes. Se voc conseguir l-las no tempo, com certeza ir toc-las corretamente. Cada nota deve ser iniciada com um novo sopro. Passe para o exerccio seguinte somente quando estiver tocando fluentemente este exerccio. Notas De Dois Tempos O mesmo se aplica com as notas de dois tempos. Cuidado com a nota final quatro tempos. Notas De Um Tempo Sempre um novo sopro para cada nota. O ataque da nota muito importante para o aluno emitir o som limpo e suave da flauta doce.

Sopre como se apagasse uma vela, pronuncie um tut. Lembre-se de que um erro repetido tornase um aprendizado difcil de ser corrigido. Portanto estude corretamente com dedicao e disciplina. Corrija seu sopro tut. Marque os tempos 1, Cada nota um novo sopro e respire vontade sempre que tiver necessidade.

Lio 2 - Notas na flauta A novidade nesta lio o Si2. Soando igual ao Si1 ele tem uma importncia enorme como uma tcnica para o flautista executar melhor suas msicas. Portanto estude com dedicao para nesta fase dominar o Si2 e registrar na sua memria musical uma tcnica primorosa. Na escala descendente use o Si2. Notas de Meio Tempo Como executar as notas de meio tempo?

Lembra-se daquela dica de bater o p? Imagine o movimento do p, para baixo e para cima. As notas de meio tempo sero executadas uma quando o p baixar e a prxima quando o p levantar.

Assim o movimento do p executando as notas de um tempo agora subdivide-se em duas seces para formar dois meios tempos. No exerccio acima o aluno toca o sol quando baixar o p e toca o si quando levantar.

No momento seguinte toca o l quando baixar o p e toca o d quando levantar. O movimento pode ser batendo o p ou balanando o corpo para frente e para trs. O aluno agora pode seguir seu caminho por um outro meio. Matricular-se numa escola de msica, conservatrio, ou ter o seu professor particular. O mtodo que aqui utilizei do Prof. Este mtodo h muito utilizado no Brasil foi por mim escolhido para este trabalho por consider-lo de fcil acesso em nosso meio e por ter uma tima abordagem para o iniciante.

CRYX STAT CARDS PDF

Curso Completo de Teoria Musical e Solfejo - vol.1

.

LIS302DL DATASHEET PDF

Curso de Teoria Musical Online GrĂ¡tis

.

MANAGERS AND LEADERS ARE THEY DIFFERENT ABRAHAM ZALEZNIK PDF

Apostila de Teoria Musical e Teclado

.

BEETHOVEN ELEGISCHER GESANG PDF

Curso Completo de Teoria Musical e Solfejo

.

Related Articles